21/11/2014 17:31  •  Atualizada em 09/12/2014 23:02

Luiz Miguel: Um recifense, de criação carioca e um legado para o futebol goiano

A pedido do então governador Leonino Caiado, Luiz Miguel assumiu a presidência do Galo e conquistou o último título


Arquivo Pessoal/Luiz Miguel

Nascido em Recife, Luiz Miguel Estevão de Oliveira foi criado no Rio de Janeiro, onde se apaixonou pelo atletismo e pela natação defendendo as cores do Fluminense-RJ neste esportes. O fato do pai ter sido goleiro, Luiz Otávio, e o tio lateral, Esquerdinha, se tornaram inspiração para se dedicar ao futebol. No entanto, uma lesão no joelho o impediu de seguir no esporte.

Seu caminho no futebol estava traçado como dirigente e foi em terras "anhanguerinas" que assumiu a presidência do Campinas no ano de 1971 a 1973. Com a fusão desta equipe com o Vila Nova, acabou se afastando do esporte.

A pedido do governador Leonino Caiado chegou ao Goiânia Esporte Clube para ajudar em meio a uma crise financeira e técnica. Foi aclamado presidente em 1974, mesmo estando no exterior. Carrega a honra de ter sido o último dirigente campeão goiano com o alvinegro carijó.

Seu legado ao futebol de Goiás não se restringe a presidência de clubes. Foi presidente da Federação Goiana de Futebol, chegou a ser vice presidente da Confederação Brasileira de Futebol e diretor da FIFA na divulgação do futebol feminino pelo mundo.

Luiz Miguel é o personagem deste domingo, 23 de novembro, a partir do meio dia, na Rádio 730, no Futebol de Goyaz e suas histórias.



Mais notícias




Programa de rádio

Edição 160 - Célio Gaúcho

Todos os domingos às 12h na Rádio 730

Enciclopédia


Em 1986, a escola de samba Milionários do Ritmo compôs o samba enredo "Que bicho que deu? Deu Dragão" em homenagem ao título goiano conquistado pelo Atlético no ano anterior.